Littérature générale

  • A manifestação correu de uma forma mais ou menos pacífica, com escaramuças e algumas detenções por causa de alguns manifestantes, que provocavam as forças policiais, a ver se com isto conseguiam o apoio popular para partirem para a violência. Mas a maior parte dos manifestantes não pactuou com isso e no global correu tudo bem.
    Na Itália, as manifestações traduziram-se em confrontos violentos entre manifestante e as forças de segurança e, à semelhança do que aconteceu em Lisboa há pouco tempo, os revoltosos arrancaram os cubos dos pavimentos e apedrejaram as forças policiais. Os conflitos originaram centenas de feridos, dezenas de mortos, lojas assaltadas e vandalizadas, veículos e edifícios incendiados e muitas detenções. Já chamavam às manifestações sucessivas a revolta das pedras.

  • Teatro ; antologia

    Gil Vicente

    Esta coletânea contém as seguintes obras de Gil Vicente: Auto da Barca do Inferno; Auto da Barca do Purgatório; Auto da Barca da Glória; Auto da Cananeia; Exortação da Guerra; Comédia de Rubena; Auto da Festa; Farsa de "Quem Tem Farelos?"; Auto da Índia; Auto da Fama; Velho da Horta; Auto das Fadas; Farsa ou Auto de Inês Pereira; Farsa do Juiz da Beira; Auto das Ciganas; Farsa dos Almocreves; Farsa do Clérigo da Beira; Lusitânia; Dom Duardos; Templo d'Apolo; Cortes de Júpiter; Serra da Estrela; Inverno e Verão; Romagem dos Agravados; Auto da Visitação; Auto Pastoril Castelhano; Auto dos Reis Magos; Auto da Sibila Cassandra; Auto da Fé; Auto dos Quatro Tempos; Auto de Mofina Mendes; Auto Pastoril Português; Auto da Feira; Auto da Alma; Auto da História de Deus; Diálogo sobre a Ressurreição; Auto de São Martinho; Maria Parda.

  • "À Europa, e em geral ao homem que nunca viajou nos sertões do interior de África, não é dado compreender o que se sofre ali, quais as dificuldades a vencer a cada instante, qual o trabalho de ferro não interrompido para o explorador.
    As narrações de Livingstone, Cameron, Stanley, Burton, Grant, Savorgnan de Brazza, d'Abbadie, Ed. Mohr e muitos outros, estão longe de pintar os sofrimentos do viajante africano. Difícil é compreendê-lo a quem o não o experimentou; àquele que o experimentou difícil é descrevê-lo.
    Não tento mesmo pintar o que sofri, não procuro mostrar o quanto trabalhei, que me façam ou não a justiça de que me julgo merecedor aqueles que examinarem os meus trabalhos, hoje é isso para mim indiferente; porque me convenci de que só posso ser bem compreendido pelos que como eu pisaram os longínquos sertões do continente negro, e passaram os maus tratos que eu por lá passei."

  • A Vita Christi de Ludolfo de Saxónia (ca. 1295-1377) foi impressa em Lisboa em 1495 por Valentino de Morávia e Nicolau de Saxónia em três volumes, por ordem da rainha Dona Leonor. A tradução para o Português deveu-se muito provavelmente ao rei D. Duarte, que a supervisionou. A obra, como é dito no prólogo, «contém todolos mistérios da fé católica, segundo a escritura dos quatro evangelistas e notários cristículos, com verdadeiras e devotíssimas exposições de diversos doctores egrégios, devotos e mui gloriosos.». A edição que agora se publica é a transcrição da edição de 1495, cotejada com a edição de Augusto Magne. A Vita Christi foi considerado o primeiro livro impresso em Língua Portuguesa até à descoberta do Sacramental (1488) e do Tratado de Confissom (1489).

  • "Jardim sem Muro" é uma colectânea de dezanove contos. As personagens baseiam-se nalguns dos tipos da sociedade portuguesa actual, aparecendo vendedores de automóveis em segunda mão, comerciantes de tintas e vernizes, empreiteiros, serralheiros, canalizadores, carpinteiros, electricistas, professores do ensino secundário, funcionários das Finanças, estudantes de Psicologia, reformados, emigrantes, agentes de segurança, viciados na Internet, coleccionadores de selos e moedas, especialistas em ciências ocultas, frequentadores de casas de alterne e respectivas funcionárias. Os políticos, por evidente falta de utilidade na sociedade, são das poucas figuras com que o autor não perdeu tempo nem gastou papel. Os contos, escritos num tom divertido, deixam transparecer o sorriso sarcástico de Eça de Queirós e o piscar de olho malandro de David Lodge.

  • "Voltou a moda das gravatas às florinhas e dos fatos à "Boss". Qualquer farroupilha esbanja pela imagem. Todos lutam pelo status cada vez mais, todos querem ser patrões, mandar.
    Eu não desgosto das gravatas nem dos fatos. Acho-os estéticos. Porém, não os uso, primeiro porque não são nada baratos, segundo porque ainda sou novo para andar de garganta entalada, terceiro porque não preciso de me fazer à imagem. Sou o que sou, não o que pareço.
    É na camada mais jovem dos homens - já nem falo das senhoras -, entre os vinte e cinco e os trinta e cinco anos, que o uso desta indumentária, inventada há dois ou três século em Paris, tem vindo a aumentar. As calças de ganga já são parolas, com cheiro a pobreza. As casacas e outras alfaias afins, do mesmo modo."

  • "As Penas de Ícaro" é uma coletânea de textos que, baseando-se em obras literárias de autores contemporâneos (José Saramago, Mário Cláudio, João Aguiar, José Cardoso Pires, Vergílio Ferreira, entre outros), refletem sobre questões de língua, literatura e cultura portuguesas. Assim como Ícaro, com as suas asas de penas ligadas com cera, conseguiu, segundo o mito, elevar-se nos céus de Creta e libertar-se do labirinto do Minotauro, assim o autor pretendeu quando escreveu estes textos propor à discussão um conjunto de reflexões, penas elas e cera a linguagem com que são tecidas, prevendo sempre com o risco de o Sol derreter a cera e as penas se soltarem.

  • Nova edição da Crónica do Felicíssimo Rei D. Manuel de Damião de Góis, feita por José Barbosa Machado a partir da edição princeps de 1566-1567, cotejada com a edição de 1749 (Lisboa, Oficina de Miguel Manescal da Costa) e de 1926 (Coimbra, Imprensa da Universidade). Nesta edição se incluem as quatro partes.

  • "Aqui deponho em suas mãos e debaixo dos seus lábios o livro de seu irmão. A minha «obra» terminou no dia em que ele saiu da nossa doce amizade para a nossa terrível amargura: morri, meu querido Jorge - deixe-me chamar assim ao irmão do meu querido Cesário; - morri para as alegrias do trabalho, para as esperanças nos enganos doces! O desmoronamento fez-se, a um tempo, no espírito e no coração! Dos restos do passado deixe-me oferecer-lhe a dedicação extremada; peça-me o sacrifício; e, quando no decorrer da vida, se lembrar de nós, tenha este pensamento consolador: - A grande alma de meu irmão soube impor-se a um coração endurecido; e tenha estoutro pensamento: - Mas não estava de todo endurecido o coração que soube amá-la." (S.P.)

empty